02/05/2017

Cena Contemporânea anuncia espetáculos do DF selecionados para 2017

A Moscou! Um palimpsesto. Foto: Diego Bresani

A Moscou! Um palimpsesto. Foto: Diego Bresani

A 18ª edição do CENA CONTEMPORÂNEA – FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO DE BRASÍLIA abrirá espaço generoso para a produção de grupos e artistas do teatro e da dança do Distrito Federal. No total, dez espetáculos realizados no DF poderão ser vistos no período de 22 de agosto a 03 de setembro de 2017, em vários teatros da capital. Dentre as escolhidas, produções assinadas por alguns dos mais férteis e atuantes artistas de Brasília. Nomes que vêm renovando a linguagem cênica na região.

Foram selecionados cinco espetáculos de teatro adulto e um de dança, um de teatro infantil e um espetáculo de rua, além de dois títulos indicados como suplentes (com intenção de que sejam integrados à grade), uma performance e um infantil. Os trabalhos foram apontados por uma comissão formada por quem entende do assunto: Samuel Araújo, diretor do espaço cultural SESC Teatro Paulo Autran; as atrizes e professoras Alice Stefânia e Adriana Lodi; e o jornalista e performer Diego Ponce de León.

O CENA CONTEMPORÂNEA tem coordenação geral de Michele Milani e direção de produção e curadoria de Alaôr Rosa.

A lista inclui:

TEATRO (em ordem alfabética):
A Moscou! Um palimpsesto – Ada Luana
Duas gotas de lágrimas num frasco de perfume – Sérgio Maggio
O inominável – Companhia 2 Tempos – Similião Aurélio / Jordana Mascarenhas
Teto e paz – Cia. La Casa Incierta – Carlos Laredo
Tsunami – Jonathan Andrade

DANÇA:
Velejando desertos remotos – Marcos Buiati

ESPETÁCULO DE RUA:
Poéticas urbanas – Andaime Cia. de Teatro – Roustang Carrilho

TEATRO INFANTIL:
Voa – Coletivo Antônia – Rita de Almeida Castro

SUPLENTES:
Carnaval de Kitinete – Tatiana Bittar / Leonardo Shamah
Sementes – quando o sonhadário germina – Ana Flavia Garcia / Caísa Tibúrcio

ESPETÁCULOS

A MOSCOU! UM PALIMPSESTO é uma livre adaptação de ‘As Três Irmãs’, de Anton Tchekhov, com concepção e direção de Ada Luana, que também atua, ao lado de Ana Paula Braga, Camila Meskell, Filipe Togawa, Kalley Seraine e Taís Felippe. A peça estabelece diálogos entre o clássico e o contemporâneo, o ator e o personagem, o teatro e a música, a ficção e a realidade, para tratar do tema da degradação do tempo e a erosão dos sonhos.

DUAS GOTAS DE LÁGRIMAS NUM FRASCO DE PERFUME tem texto e direção do jornalista e autor Sérgio Maggio. Num diálogo com o clássico ‘Esperando Godot’, de Samuel Beckett, a história mergulha no relato de famílias de desaparecidos políticos da ditadura militar. A narrativa é contada sob o ponto de vista de mães, filhas e companheiras. Em cena Gelly Saigg, Sílvia Paes, Gabriela Correa e Tainá Baldez.

INOMINÁVEL é título do novo trabalho da Cia Dois Tempos de Teatro, sob direção de Similião Aurélio e Jordana Mascarenhas. Espetáculo para um número limitado de espectadores (17 pessoas) tem dramaturgia construída em conjunto pelos atores em interação com o público. Em cena estão Elisa Carneiro, Brendo Sousa, Gregório Benevides, Helena Miranda, João Quinto, Jordana Mascarenhas, Karinne Ribeiro, Luísa Duprat, Pedro Mazepas, Victor Caballar, Similião Aurélio e Wily Oliveira.

TETO E PAZ, da hispano-brasileira Cia La Casa Incierta, tem dramaturgia e direção de Carlos Laredo e apresenta mais uma etapa do importante trabalho desenvolvido pelo grupo junto a jovens abrigados nas Unidades de Acolhimento de Brasília. Cinco destes jovens que já tiveram passagens pela rua dividem a cena com atores profissionais. No elenco estão Clarice Cardell, Herbert Lins, Jeferson Alves, Iara dos Anjos, Joaquim Ricald, João Vitor, Lívia Fernandes, Lucimara Ferreira e Patrício. Participação especial de GOG.

TSUNAMI é a mais nova direção e dramaturgia de Jonathan Andrade (de ‘Autópsia’, ‘Poeira’, ‘Entrepartidas’ etc). Protagonizado pela atriz e criadora Ana Flávia Garcia, o espetáculo tece a narrativa através de gestos, ações, imagens poéticas não-verbais, convidando o espectador a se abrir para os outros sentidos e refletir sobre o mundo contemporâneo. Um mergulho em temas como amor, solidão, utopia, compaixão, esperança, fé ou nada disso.

VELEJANDO DESERTOS REMOTOS é espetáculo de dança inspirado no livro ‘As Cidades Invisíveis’, de Ítalo Calvino, no qual o autor investiga o conceito de cidade como estratégia poética para falar da existência humana e as diferentes formas que o ser humano encontra para se relacionar com o mundo. Direção e coreografia de Marcos Buiati, que divide a cena com Iago Gabriel Melo.

POÉTICAS URBANAS foi o vencedor de Melhor Espetáculo de Rua no Prêmio SESC de 2016. Dirigida por Roustang Carrilho e com a Andaime Cia de Teatro, a peça é movida pelo livro ‘Entreaberta’, de Patrícia Del Rey, para falar de amor nos tempos virtuais, da amplitude das cidades, do cotidiano urbano. O elenco integra Ana Luiza Bellacosta, Kamala Ramers, Larissa Mauro, Leonardo Shamah, Patrícia Del Rey e Tatiana Bittar, com participação dos músicos Lucas Ferrari e Júlia Ferrari.

VOA é espetáculo dedicado a crianças de seis meses a 5 anos. Novo trabalho do Coletivo Antônia (responsável por ‘Alma de Peixe’, dirigido à primeira infância) apresenta uma livre adaptação do livro ‘A menina e o Pássaro Encantado’, de Rubem Alves. O espetáculo reflete sobre a dificuldade de deixar livre quem se ama. Direção de Rita de Almeida Castro, protagonizado por Cirila Targhetta e Tatiana Bittar.

CARNAVAL DE KITINETE é o primeiro suplente da lista. Performance protagonizada por Leonardo Shamah, tem direção e curadoria de Tatiana Bittar e trilha sonora de Tomás Severin. O espetáculo tem seis horas de duração e acontece dentro do ambiente de uma kitinete.

SEMENTES: QUANDO O SONHADÁRIO GERMINA dedica-se a crianças a partir de 4 anos de idade. Dirigido por Ana Flávia Garcia e protagonizado por Caísa Tibúrcio – as duas também assinam a dramaturgia –, a peça explora a metáfora de plantar e cuidar de uma semente para tocar em temas como a relação com a natureza e a criação.