GUERRILHEIRAS OU PARA A TERRA NÃO HÁ DESAPARECIDOS – GEORGETTE FADEL (SP)

guerrilheiras-ou-nao480

 

Homenagem que busca recuperar a trajetória de 12 mulheres mortas na Guerrilha do Araguaia, entre abril de 1972 e janeiro de 1975. Violento embate envolvendo 5 mil soldados do Exército e 69 guerrilheiros, a Guerrilha do Araguaia foi uma das mais expressivas reações armadas contra a ditadura militar no Brasil. Os corpos das mulheres assassinadas nunca foram encontrados. O espetáculo busca dar voz a essas mulheres, como forma de refletir sobre a violência contra a mulher nos dias atuais, falar de desigualdade e lutar contra o esquecimento. Uma curiosidade: a figurinista Desirée Bastos escolheu cerca de 50 peças de roupa que tinham sido enterradas às margens do Rio Araguaia, que foram desenterradas, lavas e compõem o figurino da peça.

Georgette Fadel é atriz formada pela Escola de Arte Dramática da USP e diretora com formação pelo Departamento de Artes Cênicas da ECA, USP. Professora de interpretação na Escola Livre de Teatro e no Estúdio Nova Dança. Recebeu o Prêmio Shell em 2007 como melhor atriz por Gota d’água, um breviário.

Idealização: Gabriela Carneiro da Cunha

Texto: Grace Passô

Direção: Georgette Fadel

Com Carolina Virgüez, Sara Antunes, Daniela Carmona, Mafalda Pequenino, Fernanda Haucke, Gabriela Carneiro da Cunha

Direção audiovisual: Eryk Rocha

Realização

Patrocínio

Apoio

Incentivo e fomento

Este projeto é realizado com recursos da Lei de incentivo à cultura do Distrito Federal.