BURACO – ELISABETE FINGER (PR/SP)

Foto: Renato Mangolin

Foto: Renato Mangolin

Em BURACO tudo é furado e tudo fura.
Tudo é para atravessar, para sair ou entrar,
para cair dentro, para permanecer, para desaparecer.
Para olhar e ver do outro lado: preto, pele, verde, estampado, cabeludo.
Buraco é uma aventura da matéria.
Sem transição.
Cabe um mundo.

Buraco veio de um desejo de partilhar com um público infantil outras possíveis lógicas relacionais, abrindo espaço para uma aventura sensória e sensível. Como trabalho coreográfico, a peça explora as possibilidades de ser e mover um corpo-matéria (um corpo que é matéria: carne, ossos, músculos, líquidos, tecidos, cabelos, buracos) em contato/colisão com outras matérias. Um buraco é entendido aqui como uma relação: entre dentro e fora do corpo, entre diferentes corpos, entre diferentes materiais. Buracos estão no movimento, em movimento, entre movimentos, entre arranjos coreográficos. Buracos são frestas, vazamentos, são passagens para outros lugares, são portais para outros mundos.

ELISABETE FINGER – Performer e coreógrafa paranaense, atualmente mora em São Paulo. Foi bolsista da Casa Hoffmann (Curitiba, 2004), fez parte da Formação Essaisno Centre National de Danse Contemporaine d’Angers (França, 2005-2006), e do Programa SODA – Solo/Dance/Authorship, mestrado em dança pela HZT/UdK (Berlim – Alemanha, 2010-2011). Foi co-fundadora e integrante do Couve-Flor Minicomunidade Artística Mundial (2005-2012). Tem apresentado seu trabalho em diferentes contextos (dança, performance, artes visuais), em diversos festivais e mostras pelo mundo.

FICHA TÉCNICA
Concepção e direção: Elisabete Finger
Criação: Elisabete Finger, Cinira Macedo, Jamil Cardoso e Sandro Amaral
Em cena: Priscila Maia, Jamil Cardoso e Sandro Amaral
Acompanhamento: Litó Walkey e Xenia Hauf
Materiais de cena e figurino: Elisabete Finger, Marion Montel e Marcello Busato (construção)
Produção: Cândida Monte e Wellington Guitti
Fotos: Renato Mangolin
Video: Leo Nabuco
Este projeto foi financiado pelo Prêmio Funarte Petrobrás de Dança Klauss Vianna/2012; Prêmio Rumos Itaú Cultural Dança 2012/2013 (Brasil); fundo Senatskanzlei ‐ Kulturelle Angelegenheiten e Bezirksamt Mitte, Fachbereich Kunst und Kultur – Bezirkskulturfonds Berlin (Alemanha).
Co-produção: Uferstudios Berlin, Pact Zollverein (Alemanha) e Festival Panorama de Dança (Brasil).
Apoio e Residências: PACT Zollverein e Fabrik Potsdam (Alemanha)

Este projeto foi contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2014.